domingo, 30 de julho de 2017

EUROPA


Tim foi picado por um enxame de abelhas europa. Sonhou que morava em uma colmeia bem no alto da Torre Eiffel e contemplava o Sena e a Place de Trocadéro. Como ser estranho na colmeia foi jogado lá de cima e saiu voando até Champ de Mars. Voo nada psicodélico. Passou a se alimentar só de mel.

https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1822869484396643

sábado, 29 de julho de 2017

RESPOSTA


Quando todos pensavam que a última palavra do dia seria bobina, e já começavam a imaginar o rolo que seria, e alguns não escondiam a indignação, veio a resposta clara e curta: “desculpem o atraso, foi força maior”. Força maior o escambau. O chefe dormiu no ponto. Esta é minha resposta.
https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1821640191186239

sexta-feira, 28 de julho de 2017

BOBINA


Mário colecionava objetos. Sua diversão preferida era se encontrar com velhos colecionadores e vendedores de antiguidades no centro da cidade. Algumas peças eram raridades. Mas não tinha a menor ideia de que seria aquele objeto em forma de bobina. Guardou-o para contemplar sua obsessão, apenas.


https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1820334844650107


quinta-feira, 27 de julho de 2017

SEMANA


De todos os eventos aleatórios ocorridos nessa semana o que mais o perturbou foi a presença daquela mulher, carismática e enigmática, de repente em sua vida. Até o momento ainda não havia assimilado todas as extravagâncias que ela trazia, como hábito peculiar de gritar como louca na hora do orgasmo.

https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1818966901453568

quarta-feira, 26 de julho de 2017

INDÚSTRIA


José trabalhava em um projeto de que, pensava ele, iria tirá-lo do buraco em que vivia, maior que sua medida física, dadas suas condições emocionais no momento. No entanto, sabia ele, a indústria não joga com improvisos, com incertezas. A indústria atua com indicadores objetivos, como o lucro.

https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1818444741505784

terça-feira, 25 de julho de 2017

FORMIGUEIRO


Sempre que olhava pela janela de seu escritório Vlad tinha a mesma impressão: um formigueiro humano caótico se configurava dez metros abaixo. Sem a linearidade das trajetórias das formigas, as pessoas se acumulavam nas calçadas. Como ainda conseguia viver ali, era a pergunta que sempre se fazia.


https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1816814155002176



VERME


Ele saiu para correr bem cedo. Atividade física a essa hora da manhã, com o vento frio em seu rosto lhe fazia muito bem. Seria uma ótima maneira de começar o dia não fosse o encontro não programado com aquele rato asqueroso no meio do caminho. Que um verme da terra o coma.
https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1815639715119620

domingo, 23 de julho de 2017

LICOR


Aquele licor escorria dos lábios dela de uma forma provocadora. Sugeria uma abordagem sutil. A provocação não era necessariamente o licor escorrendo, era o olhar dela, insinuante em direção a ele. Ele a puxou, esperou o líquido descer até seu pescoço e o lambeu. Assim começou a noite.

https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1814295055254086

sábado, 22 de julho de 2017

COMISSARIADO II


Paulo escreveu o microconto de ontem parecendo um desabafo, mas não. Foi proposital. Apenas brincadeira com a palavra. A aridez da palavra de hoje supera em estranhamentos. Porque "comissariado", valha-me São Judas. É de arremessar as botas na cabeça do comissário. Escrever, às vezes, o irrita.

https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1813180575365534

COMISSARIADO I


A cidade ficava lá onde São Judas perdeu as botas. Isolamento ideal para a implantação de um sistema de controle das manifestações estranhas vindas do espaço. Havia tal intensidade de movimento interplanetário que o alto comissariado do Escritório de Investigações se dirigiu em peso para o local.
https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1813160775367514

BOTAS


A palavra de ordem veio da liderança dos Escambonautas, grupo misterioso que, há dias, vem me atazanando a vida com palavras iconográficas sobre as quais devo escrever: “hoje é dia de BOTAS”. Porra! Que me lambam as botas, ou que batam as botas de vez, mas não escreverei sobre botas. E tenho dito!
https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1811674648849460

quinta-feira, 20 de julho de 2017

CARIBE


Aquela foto de uma ilha no Caribe sempre foi sua tentação. Um dia lá iria. Quando? Qualquer dia. Até que, chegou em casa, nem o cachorro estava. Aquele vazio o invadiu corpo inteiro.
Sua mulher entrou e encontrou aquela foto de uma ilha no Caribe sobre a mesa de TV. Sem mais dizeres.
https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1810540065629585



quarta-feira, 19 de julho de 2017

FAZENDA


O namorado de Maria visitou a fazenda da família no fim de semana. Viu pela primeira vez uma vaca, ficou com os fundilhos doloridos de cavalgar logo o Brioso, cavalo fogoso. Na quarta ligou. Estava no consultório médico devido às sardas que não sabia de onde vieram. Eram carrapatos. Fim de namoro.

https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1809307879086137?

terça-feira, 18 de julho de 2017

MOINHO


Ah, o moinho. Tão simples e tão quente em sua memória de infância! Plantado sobre o córrego do fundo do quintal, bem em cima da pequena cachoeira que movia a roda d’água que girava a mó que moía o milho que gotejava sobre ela. E gotejando, como o grão na mó, seguia sua vida. Assim se vivia na roça.

https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1808206049196320



segunda-feira, 17 de julho de 2017

AQUÁRIO


Ele divaga, ela avança. Ele pensa, ela executa. Ele sugere, ela faz. Ele é Peixes, ela é Aquário. Aquário é a prisão dourada de Peixes: tem o que ele precisa para viver, mas tem paredes. Aquário gosta de ir em frente, mas sente que tem um peso extra na bagagem. Não conseguem viver um sem o outro.

https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1806923615991230

domingo, 16 de julho de 2017

DISPUTA


Aquela úlcera não era nada mais que o resultado de uma disputa cotidiana na vida deles. Enquanto ele ia pela banda esquerda, vício de um pensamento político que guiava sua vida, ela debandava à direita. Não por convicção, talvez para irritá-lo. Saída pela esquerda, fim da disputa, fim da úlcera.

https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1806440062706252


sábado, 15 de julho de 2017

ÚLCERA


Sua mulher via traição em tudo. Brigava se ele parava para conversar com amigos no bar da esquina. Encenava se o pegava de conversa com outra mulher na rua. E vivia de cara feia o dia todo. Cansado, fez uma mala mínima, saiu de casa e não voltou. Mudou-se para outra cidade. Nunca mais teve úlcera.

ESQUERDA


Ele andava meio jururu com a dúvida esquentando sua cabeça. Sua perna esquerda o conduzia à casa de sua amada certificar-se de que ela, de fato, não o queria mais, sua perna direita queria enviá-lo diretamente à rodoviária comprar um bilhete só de ida para qualquer lugar longe. Qual caminho seguir?

https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1803434913006767


sexta-feira, 14 de julho de 2017

PENICO


Mário encontrou seu velho penico nas arrumações do quarto dos fundos. Entre todas as merdas de sua vida, qual delas enterraria junto com esse bizarro objeto? Então lembrou da infância, da avó, quando aquele objeto era útil no cotidiano. Pintou-o, plantou flores e transformou-o em peça decorativa.
https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1802208639796061.

VALISE


Lisa é uma prostituta moderna: combina encontros via WhatsApp, aceita pagamentos em cartão de débito e possui uma van equipada caso o cliente queira um encontro bucólico. E não esquece sua valise. Dentro dela, um ursinho de pelúcia para momentos de angústia e desassossego.
https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1801559046527687.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

SUBMARINO


Este foi meu presente do dia. Tantos anos depois ganho um bilhete para embarcar no Submarino Amarelo, em companhia de Paul McCartney e Ringo Starr, os Beatles vivos. Por nada neste mundo eu perco esta viagem. We all live in a yellow submarine.

https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1800051023345156


CONDOMÍNIO


Contrataram-me para um trabalho especializado em um condomínio um distante da cidade. Na entrada havia uma placa: “serviçais pela entrada de serviço”, para onde fui encaminhado. Apesar da coerência linguística da placa, dei meia volta. Convicções políticas são maiores que necessidade de grana.


https://www.facebook.com/paulocezar.ventura/posts/1798729660143959

segunda-feira, 10 de julho de 2017

BRIGADEIRO


Delicadamente derramava leite condensado na vasilha, colocava o chocolate, misturava os dois ao fogo brando até o ponto. Esfriava, amanteigava as mãos e esferizava pequenas porções, finalizando banhando-as em chocolate granulado. Deliciava filhos e netos. Lá fora, um céu de brigadeiro.

ALUMÍNIO


Aquele metal brilhava ao longe. O sol refletido nele dava a impressão de um outro sol na linha do chão iluminando o corpo da garota a caminhar passos ondulantes. Era só uma placa de alumínio. Mas não era esta a questão. A questão era o passo ondulante chacoalhando minha imaginação.

MOSTRUÁRIO


No mostruário de peças a serem removidas da vida daquele senhor havia cada coisa engraçada! Uma delas era a dentadura de sua falecida esposa. Quer dizer que ela foi sepultada sem ela? Ainda bem que ele nem olhou em sua cara no caixão!

MEDALHA


Persius trabalhava em pesquisas em ciências de materiais aplicadas à construção de células nanométricas que poderiam mudar concepções tecnológicas importantes. De repente, pensou: que merda de medalha eu ganharei por isso neste país? Voltou a traficar aparelhos eletrônicos, sem medalhas.

PONTEIRO


Canhoto que era, seu sonho futebolístico era ser ponteiro esquerdo do Montanhês Futebol Clube, da várzea de sua cidade. Não passou da lateral esquerda. Jogou bem no setor e foi parar na meia-esquerda do Montigny F C, da várzea francesa. Sempre esquerda, volver. Oh sucesso!


LAGO


O lago era uma espécie de símbolo de sua vida, parte vivida às suas margens, parte dentro dele. Ali se banhou, ali pescou, ali remou. Era, então, normal que o buscasse, dado seu atual desespero, para ali finalizar sua pouco épica existência.
Não conseguiu. Por respeito ao lago vive até hoje.


(Lago na Argentina, perto de Ushuaia)




POTE


Abri meu pote de NÃOS, guardados para momentos especiais. Encontrei um monte de SIMS, rebeldes, perdidos e contraditórios. Mas sou assim. Entre não e sim, não consigo sem mais ou menos.



Meu pote preferido