terça-feira, 22 de outubro de 2013

ACONTECIMENTOS SINGULARES


Vinte e seis horas como cuidador de idoso, assistindo toda sua dificuldade, toda a dor do ser humano em fase final de sua vida, ainda mais quando esse ser humano é uma pessoa querida, tem sido muito duro. Penso que me sinto forte, emocionalmente tranquilo, e preparado para vivenciar o momento de sua morte. Mesmo assim é absolutamente difícil e desgastante este momento. Junte-se a isto todos os demais problemas cotidianos. Vida e morte, tristeza e alegria, são apenas dois lados da mesma moeda, Vida e morte, alegria e tristreza, não são antagônicos. Nascimento e morte são vida, tristeza e alegria são sentimentos. E como estou no olho do furacão tento aprender com esse jogo de moedas, cara ou coroa, preto ou vermelho. Tento viver o hoje, aprendo a me isolar do tempo, sabedorias que o tempo traz. Hoje me pergunto porque eu fui sempre tão jovem? Porque não me envelheci precocemente? Minha disputa com o tempo deixou-me pra trás nesta corrida. No entanto, chega o dia em que ...

Ir ao centro de Belo Horizonte de carro é fria. Mais de uma hora no volante para percorrer uns dez quilômetros, mesmo tempo que o ônibus. Escolhi o transporte coletivo e li dois contos de Tomás González (El lejano amor de los extraños), presente do Daniel Hermelin, meu amigo de Medellín. Ótima leitura. Esse é um bom conselho: pegue o ônibus e leia um conto. 

Estou ainda atrás de acontecimentos singulares, de fontes de narrativas.